Radio Havana Cuba

Uma voz de amizade que percorre o mundo

  • Español
  • English
  • Português
  • Esperanto
  • العربية
  • Français
  • Italiano
  • Siga-nos em
  • Radio Habana Cuba en Facebook
  • Radio Habana Cuba en Twitter
  • Radio Habana Cuba en Youtube
  • Canal RSS principal
  • Enviar mensaje

#SiempreEs26

Charuto cubano: um produto de fama internacional

Por Maria Josefina Arce

O charuto é um dos produtos cubanos de fama mundial. A qualidade insuperável da folha de fumo, especialmente a que cresce em Vueltabajo - nome dado à província de Pinar del Rio no extremo oeste do país- conquistou notoriedade internacional sendo um dos preferidos dos consumidores.

A indústria cubana produz perto de 300 milhões de charutos Premium, enrolados a mão, dos quais uns 100 milhões são destinados à exportação e o resto para o consumo nacional.

Além disso, produz 130 milhões de charutos feitos à máquina, quase 90 por cento deles para exportação, e uns 15 bilhões de cigarros.

Sendo um produto que traz uma quantidade notável de receitas ao país, se busca consolidar sua presença no mercado internacional. Nessa direção, a empresa cubano-espanhola Habanos S.A, e a Administração Estatal do Monopólio de Tabaco da China assinaram recentemente carta de intenção que abre as portas para a cooperação comercial, técnica e industrial entre as duas empresas.

Cuba vende à China anualmente 200.000 charutos e comercializa esse produto em 11 províncias do país asiático, mas a procura é estimada em mais de sete milhões de unidades.

Este acordo permitirá que se venda mais tabaco cubano na China, uma das 150 nações em que a empresa Habanos comercializa seu produto que em 2016 faturou uns 445 milhões de dólares.

Devido à importância desse produto para a economia cubana, as autoridades estão debruçadas sobre um plano de modernização da indústria que compreende a construção de uma nova fábrica de cigarros com destino à exportação na Zona Especial de Desenvolvimento Mariel, na província de Artemisa, perto de Havana.

Este projeto, de mais de 100 milhões de dólares, deve começar a produzir no final de 2018 e fabricará mais de oito bilhões de unidades ao ano.

O programa inclui a fábrica de cigarros da província de Holguin, no leste cubano, onde se aplicam investimentos para ampliar e modernizar suas produções e ajustá-las à demanda e padrões internacionais.

Além disso, foram tomadas medidas para que a estiagem predominante no território nacional não prejudique a plantação e colheita das folhas de fumo.

Apesar das dificuldades criadas pelo bloqueio norte-americano contra Cuba, que breca a entrada do produto em determinadas regiões, o tabaco cubano se consolida em nível internacional tanto em novos mercados quanto nos tradicionais da Espanha, França, Alemanha e Reino Unido. Ao mesmo tempo, cresce a procura doméstica ao aumentar o número de turistas estrangeiros.

Contudo, não podemos esquecer que a vigência do bloqueio impede as exportações de charutos aos Estados Unidos, um dos principais importadores desse produto no mundo.

Editado por Maite González Martínez
Comentários
Deixe um comentário
Contador de Visitas

3550567

  • maxima: 19729
  • yesterday: 3260
  • today: 2214
  • online: 208
  • total: 3550567